segunda-feira, 4 de março de 2013

Temer será vice de Dilma, mas PMDB quer Pezão governador




As movimentações para as eleições de 2014 já se iniciaram, e neste final de semana deu mais um passo, ao menos no que diz respeito ao PT e ao PMDB. Que a política é um jogo de interesses todos sabemos, e no modelo republicano quem não faz alianças está praticamente se excluindo do jogo. Por isso o PT está tão preocupado em manter sua aliança com o PMDB. Na convenção nacional do PMDB neste último sábado (02/03) que contou com a presença da presidente Dilma, a “dobradinha” Dilma e Temer foi mantida para as eleições de 2014, já sobre o posto de governador do Rio de Janeiro não foi tão fácil.
Manter o acordo para manter Michel Temer como Vice-presidente de Dilma Rousseff não foi tão complicado, pois já era interesse do PMDB manter a aliança para manter o partido no 1º escalão do poder. Com presença de Dilma Rousseff, o PMDB elegeu Michel Temer como presidente do partido. Coube a Dilma conclamar os aliados a manterem a aliança com o PT:

"Eu conclamo o PMDB e sua juventude, suas mulheres, seu parlamentares, suas lideranças e sobretudo sua militância a continuarmos trabalhando juntos, para garantir que o fim da miséria seja só um começo", discursou a presidente.

Já no caso dos governadores a situação não foi tão amistosa. Com planos de ampliar o número de governadores para lançar candidato à presidência em 2018 após Dilma se retirar da convenção nacional, o deputado federal Leonardo Picciani (PMDB-RJ) leu uma nota da executiva regional fluminense afirmando que o partido não abriria mão de lanças o atual vice-governador do Rio de Janeiro Luiz Fernando Pezão (PMDB-RJ) para sucessão do governador Sérgio Cabral. O objetivo do partido é enfraquecer a candidatura do senador Lindbergh Farias (PT) que pretende ser candidato pelo PT a governador do Rio de janeiro.
Ainda falta muita negociação a ser feita, mas parece que o clima entre PMDB e PT não está tão tranquilo quanto Dilma gostaria.


Leia mais em:
Em convenção, PMDB reafirma chapa Dilma-Temer em 2014

PMDB bate o pé e não abre mão de Pezão para susceder Sérgio Cabral

Nenhum comentário:

Postar um comentário