segunda-feira, 23 de setembro de 2013

A proposta furada do Passe Livre




Não é novidade para ninguém o sofrimento dos moradores das grandes cidades brasileiras para se locomoverem dentro da própria cidade, seja para trabalhar, seja para alguma atividade de lazer ou para ter acesso a algum serviço. O problema existe e não pode ser ignorado, mas a discussão que vemos atualmente no Brasil tem circulado em torno da proposta do passe livre como solução para os problemas de transporte nas cidades, mas será mesmo que este é o melhor caminho?
A proposta do Passe Livre visa a partir de um fundo de transportes que seria alimentado com impostos subsidiar o acesso gratuito a todos os usuários de transporte de massas nas grandes cidades, não há como negar que a proposta é tentadora, mas será mesmo viável? Hoje os moradores das grandes cidades no Brasil sofrem para poder estudar, trabalhar, ter acesso a saúde e a áreas de lazer devido a péssima estrutura dos transportes e ainda soma-se a isso o valor alto que geralmente é cobrado e aliado aos baixos salários torna a locomoção nas cidades um pesadelo para aqueles que precisam se locomover nas metrópoles.

Em primeiro lugar acredito que é importante olharmos para a situação da estrutura dos transportes. Sim, pois com a adoção do Passe Livre automaticamente aumentaria consideravelmente o número de usuários e fica a dúvida se o nosso sistema atual suportaria a carga extra. É preciso lembrar que nosso sistema de transporte está sustentado por estradas, onde a capacidade de transporte é limitada.

O rodoviarismo se iniciou no Brasil na década de 1920, ainda na república velha, com o presidente Washington Luis que ainda como governador de São Paulo proferiu a seguinte frase durante um discurso “Governar é povoar; mas, não se povoa sem se abrir estradas, e de todas as espécies; governar é, pois, fazer estradas"!, ele também foi responsável pela primeira rodovia asfaltada do Brasil e a rodovia Rio-São Paulo, claro que era de muita importância a criação de estradas em um momento em que os automóveis começava a chegar em grande número no Brasil, mas a questão é que esta opção pelas estradas que começou com Washington Luís foi seguida e teve seu auge com JK, foi então suplantada a política do sistema ferroviário no Brasil que havia se iniciado no Império, para se ter noção de nossa malha ferroviária, no fim do século XIX éramos a 2ª maior malha ferroviária do hemisfério sul, só perdendo para o império Britânico que construiu inúmeras ferrovias em seus territórios no hemisfério sul, a política de Washington Luís foi elevada ao máximo com JK na década de 1950, e é aí que o Brasil começa literalmente sair dos trilhos e entrar nas estradas, JK tem o ideal de integrar todo o Brasil por meio de estradas e rodovias, na época parecia uma ótima ideia, e era, se não fosse o abandono das outras formas de transporte terrestres. 

Graças a esta política equivocada adotada ao longo de todo o século XX hoje o Brasil assiste suas capitais entupidas de carros e a cada dia tendo menos mobilidade e sem opção de outros meios de transporte se não ônibus e carros. E ao se olhar para as estradas e rodovias fica claro que o ideal rodoviário não foi atingido e impede que o Brasil escoa sua produção já que as estradas e rodovias estão mal conservadas e é preciso uma frota imensa de caminhões para escoar toda a produção, já que caminhões não transportam o mesmo que um trem como vemos no quadro abaixo com dados da CNT divulgados neste ano.

 Mas alguém poderia perguntar; ok beleza, mas o que isso tem haver com o Passe Livre e o problema de transporte das cidades hoje? E a resposta é simples, tudo. Pois assim como caminhões transportam muito menos carga que os trens, assim também os ônibus não transportam o mesmo quantitativo de pessoas que trens e metrôs. 

Logo se vê que o debate está no caminho errado, logo se vê que o maior problema não é o do acesso ao transporte público, o problema é que a estrutura está mal feita, as pessoas tem acesso ao transporte, só que o sistema de transporte é ineficiente e não suportará um aumento do uso.

Outras capitais em todo o mundo estiveram na mesma situação do Brasil e a questão do Passe Livre nem entraram na questão.  A situação foi  melhoria e aumento da estrutura de transporte de massa como trens e metrôs como pode ser observado nesta reportagem do portal IG.

 O debate sobre o transporte público no país é inadiável e deve realmente ser levado a sério, mas é preciso que se faça de forma a melhorar a situação e não ao contrário. A proposta do Passe Livre na prática irá criar um caos no transporte do dia para a noite devido ao aumento dos impostos e o inevitável aumento da demanda dos transportes em um sistema já falido e esgotado. É preciso que busquemos soluções para o transporte, mas soluções que não gerem mais caos, mas sim que resolvam o problema. 

Leia mais:


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário