terça-feira, 8 de julho de 2014

A "copa das copas" termina em fracasso, vexame e uma boa lição





Eu já li algumas crônicas sobre o maracanaço, ficava me perguntando como seria a dor de perder uma Copa do Mundo em seu próprio país, para minha decepção agora sei como é, e pior, sem ver minha seleção jogar. O chocolate que a seleção alemã impôs à seleção brasileira deixa uma lição, e por incrível que pareça, pouco tem haver com futebol. A derrota de 7 x 1 que levamos no Mineirão é apenas um reflexo daquilo que estamos plantando no Brasil.

O “jeitinho brasileiro”

O “jeitinho brasileiro” foi enaltecido, a malemolência, a malandragem e a busca da vida fácil onde se ganha muito dinheiro trabalhando pouco, o sonho de todo brasileiro. Sempre achei estranho que um dos maiores orgulhos do brasileiro ser a capacidade de se dar bem. Nós, brasileiros, ajudamos a enaltecer a imagem do malandro carioca, do baiano preguiçoso e tantas outras imagens que enfraquecem e escondem a grandeza do nosso povo.

A ilusão de que é possível alcançar objetivos sem planejamento

A Copa do Mundo foi anunciada que seria no Brasil em 2007, ou seja 7 anos antes do mundial. De lá para cá a euforia tomou conta do país, os políticos prometeram o céu aos brasileiros. E cada vez que aparecia um aumento de orçamento, um novo atraso, cancelamentos de obras e etc, sempre vinha alguém e dizia “no fim dará tudo certo, basta acreditar”. Sempre que alguém criticava as obras da Copa ou a seleção, logo era chamado de pessimista, que não era patriota e que deveria então sair do país.

Nosso vexame começou muito antes. Gastamos R$ 35 Bilhões e só conseguimos terminar os estádios, e mesmo assim a apenas 15 dias do mundial. O trem bala não chegou, os metrôs não chegaram, a mobilidade urbana não veio, continuamos sem hospitais e aeroportos. Ou seja, o tal legado da copa foi para as cucuias.
Da mesma forma a nossa seleção se preparou para a copa, ou seja, de qualquer jeito. O clima de oba-oba tomou conta, afinal, a copa era aqui e somos o país do futebol. A cada jogo da seleção, os jogadores ganhavam folga e iam para casa, o que parecia nos noticiários era muita alegria e pouco treinamento.

Mas isso não se resume apenas às obras do mundial ou à preparação da seleção, tem muito a ver com aquilo que estamos fazendo com nosso país. Estupidamente tentamos transformar nossas escolas em parques de diversões, de norte a sul do país vemos “educadores” dizendo que educação não combina com cobrança, seriedade. Que a escola deve ser um lugar de diversão e não de sofrimento. Estamos facilitando que alunos sem condições avancem sem esforços e a consequência é que se formam sem nada saber.

 O que nossa seleção passou hoje no Mineirão é o reflexo do que estamos fazendo com as gerações futuras, fizemos uma seleção que sabíamos que não tinha condições acreditar que poderia e da mesma forma estamos fazendo nossas crianças e jovens acreditarem que poderão ser bem sucedidos na vida sem esforços e conhecimento. Ficamos estatelados ao ver o Brasil despencando nos índices de educação, ao ver nossas faculdades despencando nos rankings mundiais, nem mesmo perto da América do sul nossa situação é confortável. Mas assim como fizemos com a seleção, preferimos não ver, preferimos acreditar que mesmo fazendo tudo errado o resultado será bom. A diferença é que os jogadores desta seleção carregará este péssimo resultado, mas de certa forma possuem suas vidas ganhas, ao contrário de nossa juventude que graças a um conjunto de mentiras e ilusões está sendo jogada em um abismo que pode não ter volta. Afinal, como já diziam os antigos, não pode um pé de jamelão produzir morangos.

A lição alemã

Da mesma forma que podemos associar o fracasso da seleção brasileira ao modelo que vigora em nosso país e ao espírito carregamos, podemos associar o sucesso alemão com o modelo que eles seguem e o espírito que carregam.

O alemão é um povo chato, diz o brasileiro, sem graça, sem alegria. Mas o que o brasileiro não vê é que por trás da seriedade alemão existe um comprometimento com tudo que eles se pretendem a fazer e a alegria e a festa só vem depois de alcançarem os objetivos e nunca antes.

A Alemanha possui uma história dura, e comparada ao Brasil deveria estar muito pior que nós, o país foi destruído há 69 anos atrás com o fim da II Guerra Mundial e até 1989 viveu uma terrível tensão, tendo o país dividido por um muro. A seriedade alemã é compreensível ao se olhar sua história. Mesmo assim tiveram força e em momento algum procuraram “amolecer o sistema” ou relaxar as cobranças, muito pelo contrário, a seriedade na formação das novas gerações construíram um país forte e a maior potência européia da atualidade e isso se reflete nesta seleção alemã. Vale lembrar que a Federação Alemã possui uma belíssima parceria com as escolas do país e metade dos jogadores desta seleção foram descobertos nas escolas daquele país sério e sem graça.

Durante o mundial, mesmo muito descontraídos, os alemães não perderam o foco em momento algum, se isolaram no sul da Bahia, e não entravam no clima de oba-oba após cada vitória. Treinavam sério dia após dia sob o sol do meio-dia da Bahia e estudavam duro cada adversário e entre um compromisso e outro apareciam uma foto ou um comentário em uma rede social, mas sem muita empolgação.

Se fica uma lição disso tudo é que precisamos aprender levar as coisas a sério, há um velho ditado que diz: “quem vai buscar, leva saco”, é preciso estar preparado para alcançar aquilo que se almeja. Da mesma forma que não vencemos esta copa sem treinar duro e seriedade, também não teremos futuro se não mostrarmos aos brasileiros de amanhã que sim, a vida é dura e o peixe é de quem o pesca. Enquanto formarmos pessoas acostumadas a receber elogios e nunca serem cobradas, enquanto formarmos gerações que não sabem o peso das conseqüências das nossas escolhas e que nunca podem ser contestadas, iremos colecionar fracassos e os fracassos do futebol será os menores e menos importantes.

É duro ver o Brasil nesta situação, e não falo de futebol. Este é nosso menor problema, sinceramente, somos uma fábrica de craques e não será difícil voltar a vencer e levantar a cabeça, desde que façamos o dever de casa, é claro.

Minha maior dor como brasileiro é ver que após esta derrota vergonhosa, também não temos um sistema de ensino decente, não temos uma saúde decente, não temos segurança, nossa economia patina e não conseguimos ver um Brasil melhor se continuarmos como estamos.

Temos agora a oportunidade de aprender com esta derrota, melhorar de vez o Brasil e deixar a diversão e a festa somente para depois das obrigações e não antes delas. Afinal, a derrota ensina mais que a vitória e esta é uma bela oportunidade de aprender, mas aprender  com quem faz direito, olhar para os melhores e fazer como eles e não nos espelhar em fracassados.

A Copa das Copas terminou em fracasso para nós, dentro e fora dos estádios. Ficamos sem nada, nem mesmo a alegria nos sobrou. Fica apenas as lições, que espero que sejamos capazes de aprender.

12 comentários:

  1. Falou duto agora, mas como sempre as coisas serão do mesmo jeito. E a culpa vão colocar em quem... no Scollari claro.

    ResponderExcluir
  2. MUITO OBRIGADO À SELEÇÃO BRASILEIRA

    Joguei como goleiro de futebol de salão (hoje chamado de futsal) por muitos anos. Também carrego comigo o título de goleiro menos vazado do primeiro torneio estudantil gaúcho de handebol, nos idos de 1969, quando a equipe de minha escola (Olindo Flores – Scharlau) sagrou-se campeã.

    O futebol, esporadicamente, recebe minha atenção, como foi o caso desse “torneio da Fifa”.
    Assisti a quase todas as partidas e, desde o início, previ (e comentei com algumas pessoas) que a final seria entre Alemanha e Holanda; saberemos o resultado dentro de poucos dias.

    Mesmo que tivessem outros times aguerridos, a mim, como leigo, pareceu serem essas as duas melhores equipes, desde o começo.

    Já sobre a equipe brasileira, identifiquei o desinteresse, a falta de garra, o famoso “salto alto” da maioria de seus participantes.

    Interpretei que tal situação se devesse ao fato de que cada um dos jogadores está realizado financeira e profissionalmente, NO EXTERIOR, pouco se importando eles de suar a camisa Verde e Amarela, pois isso lhes consumiria esforço e eventuais lesões, que poderia comprometer seu futuro nos times estrangeiros.

    Com a partida que está sendo considerada como vergonhosa pelo mundo todo, literalmente, está me parecendo que o propósito de nossa equipe foi outro.

    Longe de serem “pernas de pau”, “arranca tocos” ou “goleiro frangueiro”, cada atleta é um craque, mesmo que estejam, muitos deles, trocando tal imagem por propaganda de marketing alheio.

    Mas, e então acontece esse “7 x 1”, que poderia ter sido “10 x 0” com MUITA FACILIDADE; os alemães não quiseram ampliar o quadro e permitiram que se fizesse o “gol de honra”.

    E por que isso aconteceu?

    Acho que a equipe dessa Seleção Brasileira é composta de PATRIOTAS.

    Não há qualquer dúvida de que a maioria deve ter pleno discernimento de que seriam “usados”, caso garantissem o hexa, por esse governo corrupto, para inebriar ainda mais a população brasileira, impondo sorrateiramente os planos subversivos que se acumulam mais e mais a cada dia.

    Com o povo deslumbrado com eventual vitória, ao acordar, o MST, a CUT, a UNE e outras siglas de serviçais do PT já teriam “aprovado”, à revelia do Congresso Nacional, a mudança do sistema de governo no Brasil; o comunismo (chamado brandamente de socialismo bolivariano) estaria consolidado.

    E agora, LULA/DILMA? Vocês aproveitarão a dor no coração do povo brasileiro para dar o golpe final em nossa democracia ou recuarão?

    Aprovarão o projeto de lei, que visa acabar com a Polícia Militar, acabar com QUINHENTOS MIL RESERVISTAS das Forças Armadas, transformando-os em MILÍCIA PARTICULAR do PT, tal como é na Venezuela e em Cuba (para ficar na vizinhança)?

    Permitirão que o Brasil perca metade de seu território, entregando-o para ONGs estrangeiras, que dizem “proteger” meia dúzia de tribos indígenas, engrossadas em sua densidade demográfica por desocupados de várias regiões brasileiras?

    Com os olhos do mundo voltados para a dor de mais de 200 milhões de brasileiros, será que os MERCENÁRIOS, escondidos através da sigla PT, terão a coragem de despedaçar de vez a dignidade de nossa gente, tão vilmente tratada nesses últimos 14 anos?

    Eu só tenho a dizer o seguinte: “Muito obrigado à Seleção Brasileira”

    ResponderExcluir
  3. Somos uns idiotas, enquanto a copa rola político corruptos estão saindo das prisão

    e agora tudo vai aumentar de preços para nós pagarmos , eu nunca quis copa agora vou sofrer pelos ignorantes que estavam Feliz torcendo; COPA DA MERDA;

    Obrigado; Neimar pele Dilma e a todos filhos da puta pela felicidade que nos proporcionaram temos educação saúde e segurança moradia de qualidade. PAÍS MARAVILHA

    ResponderExcluir
  4. Fracassada é essa mentalidade que tem q vencer todas, a copa como evento foi ótima, grandes jogos, estádios modernos, um ou outro contratempo, nada fora do normal.

    O que deu errado? O vexame? Brasil não tem time, não tem seleção... Os clubes não formam jogadores decentes já faz um bom tempo, se o melhorzimho era o nenmar imagina o que sobra pro resto.

    A saúde, educação, transporte público são problemas estruturais não tem nada q ver com um evento passageiro.

    ResponderExcluir
  5. O autor demonstra preocupação com a copa -- "Terminou em fracasso para nós".
    Na verdade terminou de maneira belíssima. Nada mais justo do que uma colônia maltrapilha como a Brasil, que não oferece segurança, educação de qualidade, professores competentes, saúde pública, salário digno etc, PERDER uma copa.
    Os governantes e certos cidadãos quiseram estufar o peito e acabaram engolindo o orgulho.

    Um final de 7 a 1 --quisera ser 10 a 0, foi também maravilhoso.

    ResponderExcluir
  6. E se tivesse vencido teria sido ''um sucesso''?? Estranho é esse pensamento de confundir politica com futebol. Me desculpe, discordo de vc. Não temos obrigação de vencer todas as copas, foi mais um jogo. Poderiamos ter ganhado sim, aí vc escreveria tudo ao contrário??? Pq esfregar esse fracasso sempre?? Vc escreveria o q se a seleção tivesse avançado na disputa e disputado e ainda vencido o torneio? Vc morde lá em cima, fala o quer do Brasil etc, depois assopra falando q temos capacidade. Nós sabemos disso. Mania desse povo ficar aí falando essas coisas. Deixa as coisas acontecerem. O país há de mudar, a começar com eleições com novos governantes, novas mentalidades. E não acho legal mistura de futebol com política. São problemas estruturais que devem ser tratados diferentemente. Esse texto tbm é uma forma de esfregar na cara dos brasileiros: ''burro, olha o q vc valoriza, se f... e perdeu de 7 x 1''. Na verdade, parece que é jogar na cara que o cidadão q apostou nos jogos perdeu de 7 a 1. Coisa de intelectual chato e de gente sem personalidade q concorda com tudo.

    ResponderExcluir
  7. O seu comentário revela o ódio de determinadas pessoas ao governo Dilma ao Lula e ao PT. Nós perdemos uma partida de futebol e não a Copa das Copas. A Copa das Copas foi e está sendo elogiada por representantes de futebol de diversos países assim como por seus jornalistas, como a melhor Copa de todos os tempos. O fato do Brasil ter perdido esta batalha, afinal um time teria que perder, não tira o brilhantismo da realização da Copa. Não houve uma queixa em relação à infraestrutura e a organização da Copa. Os gringos saíram daqui elogiando a hospitalidade e a simpatia do povo brasileiro. Onde está a catástrofe que você está vendo que eu não vejo? Para terminar uma informação importante:
    "Gastos" da Copa:
    Deu na Folha de São Paulo 23/05/14: Gasto total da Copa: R$ 25,8 bi. Gasto anual em saúde: R$ 206 bi. Gasto anual em educação: R$ 280 bi. Mobilidade urbana: R$ 8,1 bi. Estádios: R$ 8,0 bi. Aeroportos: R$ 6,3 bi. Segurança: R$ 1,9 bi. Portos: R$ 600 mi. Telecomunicações: R$ 400 mi. Quem arca com os R$ 25,8 bi: Municípios 5% : R$ 1,4 bi. Estados + DF: 23% : R$ 5,9 bi. Bancos federais (empréstimos) 32%: R$ 8,3 bi. Governo federal 23%: R$ 5,8 bi. Outros (privados) 17% : R$ 4,4 bi. Como podem ver o Diabo não é tão feio como pintam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem nos esquecermos que foi TUDO ajeitado, para que as obras ocorressem em tempo. Prova disso está lá, ainda em demolição, o viaduto que caio em Belo Horizonte. Mas só dois morreram, né mesmo?
      Isso não significa NADA.
      Sem considerar os outros muito acidentes, e muitas obras que levarão um monte de tempo a ser finalizadas.
      Mas isso, pra copa das copas, com a saúde saldável que o povo brasileiro tem, não é significativo.
      Sem considerar os gigantes elefantes, que ficarão para ser lembrados como ruínas, construídas pra copa das copas de 2014.

      Excluir
  8. "Gastos da Copa"
    Deu na Folha de São Paulo 23/05/14: Gasto total da Copa: R$ 25,8 bi. Gasto anual em saúde: R$ 206 bi. Gasto anual em educação: R$ 280 bi. Mobilidade urbana: R$ 8,1 bi. Estádios: R$ 8,0 bi. Aeroportos: R$ 6,3 bi. Segurança: R$ 1,9 bi. Portos: R$ 600 mi. Telecomunicações: R$ 400 mi. Quem arca com os R$ 25,8 bi: Municípios 5% : R$ 1,4 bi. Estados + DF: 23% : R$ 5,9 bi. Bancos federais (empréstimos) 32%: R$ 8,3 bi. Governo federal 23%: R$ 5,8 bi. Outros (privados) 17% : R$ 4,4 bi. Como podem ver o Diabo não é tão feio como pintam.

    ResponderExcluir
  9. Olá, Bom Dia!!

    Sei que o que vou dizer, tem pouco sentido, diante do tamanho do Brasil, e na mesma proporção, o tamanho dos problemas que estão ampliando a cada dia. Sei também que a repercussão é minúscula. Mas mesmo assim, como brasileiro que sou, daqueles que não desiste nunca, e claro, tem esperança de que dias melhores ainda virão, expresso minha opinião:

    Acho que o problema do Brasil... está na forma que nos passaram e está no sangue desse povo. Basta ver no Hino Nacional: “Paz no futuro e glória no passado.”
    E hoje?
    Hoje é só corrupção, muitos se vendem por uma mísera “bolsa família”, estamos vivendo uma guerra desonesta e desigual. De um lado, o povo sem norte, construído pelos inteligentes para assim ser... e do outro, os inteligentes, as feras insaciáveis, que só pensam em acumular fortuna, a qualquer preço, achando que levarão consigo...
    Pensemos na seguinte lei:
    - TODO CIDADÃO BENEFICIADO PELO ASSISTENCIALISMO, FICA SUSPENSO DE VOTAR ENQUANTO HOUVER/RECEBER TAL BENEFÍCIO.

    Acredito que, uma revolução ocorra... Darão a verdadeira atenção às campanhas pelos benefícios, e farão deles, uma forma REAL de ajuda humanitária.

    Nota: Não sou contra ajudar quem precisa de ajuda. Estamos aqui para servir e sermos servidos, nos momentos de necessidade.

    E se implementássemos mais essas duas?
    - TODO SERVIDOR PÚBLICO, ESPOSA E FILHOS, SE ESTUDAM, SÃO OBRIGADOS A ESTUDAR EM ESCOLAS PÚBLICAS.
    - TODO SERVIDOR PÚBLICO, ESPOSA E FILHOS, SÃO OBRIGADOS A USAR O SUS.

    Acho q resolveria todos os problemas. rsrs.
    Aí, teríamos um BRASIL perfeito, não acham? Mas isso traria muitos transtornos, não é mesmo? Quem teria vergonha na cara e sugestionaria/colocaria essas 3 decisões?

    Hum!! Difícil, né mesmo?? Por isso, não creio que meus netos, consigam dormir em “berço esplêndido, da Pátria amada BRASIL”, e ter paz e glória no PRESENTE.

    Estamos muito longe desse façanha, mas não podemos perder as esperanças, apenas esperando, temos que mudar o nosso jeito de pensar: EDUCAÇÃO. TEMOS QUE TIRAR DE NOSSO SANGUE, O VÍRUS DA CORRUPÇÃO.

    Forte abraço,

    ResponderExcluir
  10. Cilenio Alves de Souza11 de julho de 2014 11:
    CONCORDO !!!

    ResponderExcluir