sábado, 23 de julho de 2016

Donald Trump: O demagogo que virou esperança



Em menos de 4 meses o mundo voltará suas atenções para os EUA. As eleições presidenciais por lá prometem, e todos aguardam com ansiedade a eleição que pode decidir não só os rumos dos EUA, mas de todo o planeta. O problema são os candidatos. Principalmente o candidato pelo Partido Republicano Donald Trump, que empolga e assusta na mesma proporção e que parece mais um falastrão caricato do que alguém capaz de governar uma grande nação.

Não falarei sobre a candidata Democrata neste texto, quem saibe eu dedique um texto a ela, mas meu assunto de hoje é Trump. Como este falastrão inconsequente chegou ao posto de candidato à Casa Branca pelo Partido Republicano? Com certeza me arrisco pelas críticas que farei a Trump e porque não me empolga em vê-lo presidente, assim como não me empolga ver Hillary. Portanto, se você se diz conservador e já começou a bufar, leia até o fim.

Trump não é conservador, assim como vacas não voam!

Se seu melhor argumento nas rodinhas de amigos é dizer que Trump é a melhor opção pelo fato dele ser conservador, pode parar. Trump pode ser muita coisa, e com certeza ele é, mas conservador ele não é de forma nenhuma. Trump é no máximo um caricato do conservadorismo barato pintado pela mídia do que seja um conservador.

Esqueça o que os nossos grandes jornais dizem, infelizmente todos eles escrevem a mesma coisa usando palavras diferentes. E não é pelo fato dos jornais chamarem Donald Trump de conservador que ele realmente seja um. Na verdade Donald Trump é um demagogo barato vestindo uma caricatura de conservadorismo para tentar chegar a Casa Branca.

Eu sinceramente preferia ver Bem Carson ou Ted Cruz no páreo. Hillary teria muita dificuldade com estes dois. Estes sim, são conservadores e possuem propostas coerentes para o momento que os EUA passam e poderiam ajudar o ocidente a voltar aos trilhos. Mas preferiram Trump, e isso me preocupa. Me preocupa por não saber se os eleitores de Trump saibam realmente o que estejam fazendo. Mas, mais preocupante é escolherem um candidato que mostrou muito slogan e pouco disse como fará o que promete.

Nos círculos mais conservadores dos EUA, as eleições deste ano estão sendo vistas como uma eleição de apenas um partido: democrata x democrata. E os motivos apontados junto com a ideia do que seja um conservador é o que nos permite afirmar que Trump não é conservador.

As entidades pró-vida cobram de Trump uma postura firme como bom conservador sobre questões como aborto. Mas ainda não tiveram nada a respeito. E para piorar ainda precisam lidar com uma posição confusa de Trump que chegou a elogiar os trabalhos prestados pela Planned Parenthood a milhões de mulheres. A questão é que as entidades pró-vida travam uma guerra contra a Planeed Parenthood por ela financiar o aborto e incentivar a prática entre adolescentes. Trump chega a dizer que só não doa dinheiro à instituição por ser pró-vida e ela financiar o aborto, mas apenas o fato de elogiar tal organização e de se mostrar favorável ao aborto em algumas situações já colocam Trump muito longe do que seja um conservador.

Um outro ponto que joga por terra a tentativa de Trump de se passar por conservador é a proposta, digna dos democratas, de construir barreiras tarifárias com a intenção de proteger a indústria e o emprego dos americanos. O problema, meus caros, é que o livre comércio é uma peça chave no conservadorismo americano, e qualquer proposta que venha a barrar ou dificultar as empresas de realizarem suas atividades fim soam como uma arbitrariedade aos ouvidos dos verdadeiros conservadores.

Trump agrada por falar demais. E isso preocupa.

Trump chegou onde chegou por não ter papas na língua. Mas os norte-americanos, principalmente os republicanos, estão cometendo um grave erro que nós brasileiros conhecemos muito bem. O erro de eleger alguém pelas belas palavras ditas nos discursos sem se preocupar como se cumprirão estas coisas.

Os republicanos deram a um louco a chance de ocupar a Casa Branca. Trump venceu as primárias com um discurso populista, e como sua oponente soube falar o que o público queria ouvir. A diferença é que o modelo Hillary de governo nós já conhecemos, é a mesma água de batata de Obama, enquanto Trump promete, fala, mas não apresenta nada de efetivo como estas coisas se darão na prática.


Trump não é o Ronald Reagan que muitos estão esperando. E sim, posso estar errado e caso ele vença seu mandato pode ser um sucesso, mas até o momento vejo Trump como uma grande vergonha, que se eleito, os republicanos vão ter que conviver e se explicar por muito tempo.

Leia mais:



Nenhum comentário:

Postar um comentário